Deputado do PT que é relator da emenda que “barra” o voto do eleitor na próxima eleição, agora apresenta a “Emenda Lula”

A nova proposta na reforma política tramita na Câmara dos Deputados no Congresso Nacional e que deverá ser votada em setembro. O relator da reforma, deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), alega que a emenda não tem nada a ver com a sentença do ex-presidente Lula. Será?

O relator da reforma politica o deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), tem por grande objetivo enfiar a goela abaixo o voto em lista fechada, onde o eleitor não votaria no candidato, mas no partido, e o partido, este indicaria o seu “escolhido”, isso já em 2018.

É uma nova proposta na reforma política que tramita na Câmara dos Deputados no Congresso Nacional e que deverá ser votada em setembro. Como grande parte dos deputados estão enrolados até o pescoço por corrupção, tudo pode acontecer, já que assim, ficariam fora do crivo do eleitor. Uma tremenda tramoia que deverá ser rejeitada, tamanha a indignação dos brasileiros.

Como se não bastasse isso, uma nova barbárie está para acontecer, trata-se da “Emenda Lula”, que nada mais nada menos, impediria o candidato de ser preso faltando oito meses para a eleição. (Continua depois da publicidade)

PUBLICIDADE

Acreditando, mas ao mesmo tempo sem reconhecer publicamente a grande possibilidade do líder do PT, o ex-presidente Lula ser preso antes de conseguir registar candidatura, o que poderia lhe deixar inelegível. Deputados aliados ao lulopestismo articulam a votação dessa “jogada”, a medida foi apelidada de “Emenda Lula” e apresentada um dia após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ser condenado a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá (SP).

Apesar de polêmica, a emenda já estava proposta e já constava no relatório parcial nº 3 de Vicente Cândido, apresentado no dia 23 de maio à comissão especial, antes mesmo de Lula ser condenado.

Se a nova regra for aprovada, o político que desejar participar das próximas eleições vai ter que procurar a Justiça Eleitoral entre os dias 1º e 28 de fevereiro do ano da eleição, antes mesmo das convenções partidárias elegerem seus candidatos, para requerer um certificado de habilitação prévia para candidatura. Daí por diante não poderá ser mais preso.

O procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, integrante da força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, também criticou a medida. Em postagem feita no Facebook, disse que isso se destina a salvar Lula. “Ninguém realmente acredita que a sentença do Dr. Sérgio Moro será revertida”, explicou. (Continua depois da publicidade)

PUBLICIDADE

A segunda instância – A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), responsável pelos processos da Operação Lava Jato, julgará em segunda instância o processo que levou à condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.  Os desembargadores, sediados em Porto Alegre, têm levado em média um ano para julgar os casos da operação.

Se for condenado em segunda instância até 15 de agosto do ano que vem, quando se encerra o prazo para registro de candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Lula não poderá concorrer a cargo eletivo. Isso porque a sentença de Moro prevê que Lula fique interditado para o exercício de cargo ou função pública por 19 anos, caso a decisão seja confirmada pelos desembargadores.

Ainda sobre “Emenda Lula”, tratando-se dos políticos brasileiros tudo pode acontecer, mas o povo brasileiro não vai deixar passar em branco. Observadores políticos acreditam que a transloucada emenda não deve passar, e que tudo isso, é um prenúncio do que deverá acontecer no que vem.

Lula condenado em segunda instância, preso e com os direitos políticos cassados, começaria assim, uma corrida contra o tempo. Recursos seriam impetrados e até ser julgado, tentaria disputar a eleição, seu nome e sua foto não apareceriam nas urnas, até que se julgassem o seu o mesmo. Um grande clima de instabilidade tomaria o país.

Lamentavelmente o Brasil deixa para o mundo uma péssima imagem, amedronta os investidores, castiga o povo brasileiro, envergonha uma nação. Aliado a tudo isso, um presidente que pode ser afastado a qualquer momento por corrupção. Meu Deus! Ao que tudo indica, o país demorará a entrar nos eixos. Quem viver verá!

(Editorial – Claudinho Cruz)   PARANÁ NOTÍCIAS – A informação como ela é.

você pode gostar também Mais do autor