Campo Mourão está com alto índice de infestação do mosquito Aedes Aegypti

A média de infestação do mosquito Aedes aegypti em Campo Mourão aumentou de 4,23 por cento para 8,86 por cento em dois meses. A infestação é considerada de alto risco, considerando que o índice aceito como ideal pelo Ministério da Saúde é abaixo de um por cento. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (08), pelo Comitê Gestor com base no Levantamento de Índice (LIRA) realizado na semana passada.

“Esse é o maior índice que detectamos desde 2013, quando assumi o comando deste trabalho. O último levantamento do ano, em novembro, já apontou para uma situação preocupante e esses novos números comprovam. Por isso já iniciamos hoje mesmo o trabalho de campo nas quatro localidades onde foram detectados os índices mais altos”, comenta o chefe do Comitê Gestor da Dengue, Carlos Bezerra.

Das 35 localidades averiguadas, 29 apresentaram alto índice, três médio e em três baixa incidência. Os índices mais altos foram encontrados nos bairros Mario Figueiredo/Batel (25%), Cidade Alta (16,67%), Pio XII/Indianópolis (16,05%) e Paulino (15%). Neste levantamento foram vistoriados 1.749 imóveis, dos quais 155 com presença de larvas do mosquito Aedes aegypti.

Segundo Bezerra, predomina o aparecimento de criadouros nos tambores, baldes e lonas plásticas (locais aonde as pessoas acumulam água para reaproveitamento na residência). Em segundo lugar apareceram os recicláveis (acumulados em residências) e sucatas, seguidos de vasos sanitários, pratos de plantas e bebedouros de animais.

“A maioria dos focos foi encontrada nas residências e em terrenos baldios”, disse Bezerra. Ele adverte que apesar de atualmente Campo Mourão não apresentar nenhum caso de doença transmitida pelo Aedes Aegypti, o aumento na infestação mostra que a população não está tomando o devido cuidado.

AÇÕES – Bezerra ressalta que a Secretaria Municipal de Saúde vai intensificar as ações, como Hora H, Caminhadas Ecológicas, Mutirões e até ações coercitivas através do Ministério Público. “Já sabemos que 12 por cento dos imóveis não estão colaborando para o controle da dengue”, enfatiza, ao advertir que as pessoas que estão viajando ou vindo de regiões onde existem casos de dengue devem redobrar os cuidados. Atualmente o município tem nove casos suspeitos.

você pode gostar também Mais do autor