conecte-se conosco


Brasil

Com trio de executivos, Leven se reúne com Campello em segunda reunião de transição no Vasco

Publicado

em

No dia seguinte ao encontro do presidente com Jorge Salgado, advogado vai a São Januário discutir futuro da gestão do clube. Julgamento marcado para o dia 17 de dezembro deve definir rumos no clube

Leven Siano e seu trio de executivos, antes da reunião com Alexandre Campello — Foto: Reprodução

Luiz Roberto Leven Siano foi a São Januário nesta tarde de quarta-feira para reunião de transição política com Alexandre Campello, presidente do Vasco. O encontro foi o segundo dos pretendentes à sucessão presidencial vascaína, em meio a imbróglio sem fim no clube.

Leven foi acompanhado de três executivos que vão fazer parte de sua gestão, caso a Justiça determine que ele tome posse dia 20 de janeiro. No dia 17 de dezembro, colegiado do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro anuncia votos da decisão a respeito da eleição presencial de 7 de novembro, em que Leven Siano recebeu mais votos.

Após reunião no Vasco, Salgado sugere acordo com Leven Siano por terceira eleição
Vasco paga salário de outubro aos funcionários; atraso com o elenco é de uma folha

  • Fui acompanhado de três executivos financeiros. Como o Campello nesse momento não quis abrir o futebol, quer manter a responsabilidade sobre o futebol, priorizamos falar sobre finanças, que é o mais importante tirando o futebol nesse momento. Estavam comigo o Nilton Maia, executivo de finanças, o Augusto Tannure, diretor financeiro, e o Luís Paulo Rosenberg, diretor de marketing – disse Leven, que se reuniu com Campello, uma equipe de finanças e contabilidade e um advogado.
  • O pessoal foi muito atencioso, e o Campello também. Foi muito positivo, e é apenas o começo, não é um encontro único. A gente estabeleceu que vai haver novos encontros entre minha equipe e o estafe do Campello. Fiz uma requisição de 73 itens para receber informações sobre 10 áreas diferentes do clube. Ele disse que não tinha como reunir tudo isso no pouco tempo, mas ao longo do tempo estabeleceríamos uma rotina onde esses documentos seriam apresentados. Precisamos de informações para melhorar nosso planejamento.

“Fiquei feliz porque as conclusões do meu projeto foram confirmadas. O Vasco tem uma dificuldade crônica de captação de receitas e também um fluxo de caixa negativo.”
— Leven Siano

No Instagram, o candidato da chapa “Somamos” escreveu que “reunir um time desses para gerir o Vasco é um sonho”, fazendo referência Nilton Maia, ex-diretor financeiro do Flamengo, de Augusto Tannure, que ele anunciou como CFO (chief financial officer) e o economista Luís Paulo Rosenberg, ex-dirigente do Corinthians. Em caso de gestão Leven Siano, ele seria CMO (chieff marketing officer).

  • Todos estarão implementando o SOMAMOS e construindo um VASCO CAMPEÃO novamente – escreveu na rede social.

Leven relatou encontro harmonioso com Campello, com quem, recentemente, discutiu asperamente. Levou documento com série de pedidos de informações, aos quais o presidente vascaíno disse que vai precisar de tempo para entregar respostas. Também disse que vai atrás de recursos para entrada imediata no caixa do clube, para pagamentos de salários e outros débitos.

  • Deixamos os funcionários muito tranquilos, dizendo que mudança de gestão não significa demitir todo mundo. Queremos dar continuidade ao que tem sido bem feito. O clube está bem organizado na área contábil – afirmou.

Entenda o imbróglio
A eleição que vai definir o novo presidente do Vasco está judicializada. Uma votação presencial ocorreu em 7 de novembro, em São Januário, mas foi interrompida antes do fim devido a uma liminar do STJ. Na ocasião, Leven, da chapa Somamos, foi o mais votado.

Com a votação do dia 7 invalidada, uma nova eleição, dessa vez virtual, ocorreu uma semana depois, em 14 de novembro, sem a participação de Leven e outros dois candidatos (Alexandre Campello e Sérgio Frias). Jorge Salgado (Mais Vasco) foi o mais votado superando Julio Brant (Sempre Vasco). Minutos depois da apuração dos votos, no entanto, o STJ cassou a liminar do dia 7 e determinou que o caso retornasse ao TJ-RJ. No dia 17 de dezembro os desembargadores da Primeira Câmara Cível vão decidir se o pleito presencial, realizado em 7 de novembro, teve validade.

Neste contexto, Campello preparou a transição. Anunciou que se reuniria com Salgado e Leven. Nesta terça, recebeu Salgado em São Januário – fará o mesmo com Leven na quarta. No domingo, Leven propôs que todos os envolvidos aceitem a decisão do dia 17, uma sugestão para dar fim ao impasse. Depois, Salgado “convidou” Leven a terceira eleição, o que gerou ironia do adversário político. (Globo)

Últimas